Em uma entrevista concedida em Hong Kong recentemente Rita Ora falou um pouco sobre o que planeja para 2016: álbum, sua coleção nova com a Adidas e cinema. Isso mesmo, parece que os poucos segundos em “Cinquenta Tons de Cinza” (que virarão vários minutos no próximo filme, diga-se de passagem) e “Nocaute” estão a levando para um futuro mais agitado nas telonas.

Você gostou do Landmark?

Achei lindo. É a primeira vez que estou cantando aqui. É a parte de prestigio das compras de Hong Kong. E me lembra de casa. Tem um shopping parecido com esse no Reino Unido. Definitivamente me dá uma energia verdadeiramente boa.

Quais são suas lojas favoritas?

Bem, vi todas as minhas lojas favoritas aqui no Landmark. Valentino, Dior – acho que elas todas são incríveis. Eles tem todas as lojas importantes aqui, com certeza.

Quais são seus designers favoritos?

Tem vários designers de moda que eu gostaria de falar. Bem, eu sou amiga dos que eu amo, eu me sinto tão sortuda. Tom Ford, Jeremy Scott, sou uma grande fã do que Raf Simons está fazendo no momento. Amo Azzedine Alaïa. É, eu acho que é o bastante.

Como você descreveria seu estilo?

Meu estilo é muito livre. Definitivamente não tem um livro com regras. Acho que as pessoas nunca conseguem saber o que esperar de mim no tapete vermelho, com o cabelo, maquiagem e as roupas. Acho que isso é uma boa coisa, porque eu tenho tentado construir isso por um tempo. Odeio quando as pessoas tem expectativas e elas acham que elas sabem o que eu irei fazer. Me dá nos nervos. Eu queria criar essa impressão logo que eu me tornei uma pessoa pública e expressar esse tipo de liberdade. Creio que é por isso que as pessoas no mundo da moda tem sido tão legais comigo, porque elas sabem que eu assumo riscos.

No tapete vermelho, você muda seu visual sempre e sempre parece incrível.

Obrigada! Isso é amável de ouvir, porque Tom Ford na realidade disse isso para mim. Ele me disse uma vez, “Sabe, é difícil para as pessoas se adaptarem à diferentes visuais e conseguirem usá-los, na realidade.”

Nos fale um pouco sobre sua colaboração com a Adidas.

Foi divertido. Foi a primeira vez que eu consegui fazer design com uma companhia estabilizada. Fui pra Alemanha, eu vi todas as fábricas e as texturas e eu quis aprender sobre tudo. Um dia eu irei fazer tudo isso por conta própria. No momento eu estou prestes a lançar minha 10ª coleção com a Adidas, é animador.

Quais são seus planos para o futuro? Você esteve em “Cinquenta Tons de Cinza” e irá aparecer nas continuações.

Definitivamente eu acho que essas pontas e filmes me abriram tantas portas. Tenho feito tantas audições recentemente e tem sido uma grande experiência para mim. Mas no momento eu estou focada no meu álbum, que sai esse ano. É engraçado, porque desde que eu comecei a fazer todas essas coisas algumas pessoas esqueceram que eu comecei na música. É incrível que eu conseguirei finalmente lançar um álbum e poder fazer estes filmes e design para a Adidas. É incrível especialmente porque não são muitas as pessoas que podem fazer essas coisas.